segunda-feira, 17 de julho de 2017

RESENHA: Notícia de um Sequestro


Maruja Pachon/ Folha de São Paulo
Apesar de ser conhecido como um autor de contos de ficção, Noticia de um Sequestro está longe de ser uma mera história inventada,   com  uma narrativa direta  e sempre em linguagem jornalística esse é um dos poucos trabalhos do autor como jornalista.
Em seu livro-reportagem, Márquez conta a história dos 182 dias de cativeiro que Maruja Pachon passou nas mãos do Carcel de Medelín a mando de Pablo Escobar e também dos demais sequestrados e envolvidos. Na época a Colômbia negociava com os Estados Unidos uma lei de extradição de narcotraficantes, lei da qual Escobar temia já que segundo ele: “Prefiro uma cova na Colômbia do que uma cela nos EUA”.
Suas personagens relataram que Márquez foi um exemplo de jornalista, já que o trabalho durou cerca de três anos para finalizar.   Da mesma forma que perguntava muito, o autor ouvia muito mais as pessoas das quais entrevistava e segundo Maruja Pachon ele teve um olhar sensível aos detalhes. O livro Notícias de um Sequestro, o consagrou pela riqueza de detalhes, mas também pela narrativa jornalística perfeita além da neutralidade do autor sobre os fatos.

A HISTÓRIA
A escrita suave, objetiva e elegante do livro refletiu no interesse de ambas as partes para escrever a história marcante na vida de Maruja e da Colômbia que nos ano entre 1990 e 1993 passaram pelos momentos mais violentos no país. Além disso, o livro torna-se cativante já que o autor tinha como objetivo ser vivo em emoção, em alguns momentos o livro se torna um a história de suspense. Márquez imersa de tal forma na história que praticamente se torna uma testemunha.
Como jornalista, escreveu os fatos tais como eram, sem “papas na língua” e com muita coragem segundo Maruja Pachon em uma entrevista à Folha de São Paulo. A história narrada não conta somente os momentos das personagens, mas sim da sua própria vida como jornalista e cidadão colombiano, assim a leitura desse clássico torna-se indispensável para os estudantes da área da comunicação. Os meios de comunicação foram ferramentas chave para as negociações e também para o “conforto” das vítimas em saber o que acontecia lá fora.

A REALIDADE DO CATIVEIRO E A SOCIEDADE
As vítimas envolvidas estavam diretamente  relacionadas com o poder  e com os meios de comunicação por isso a comoção nacional sobre o caso  a cada dia ou a cada informação sobre os sequestrados envolvia tanto a opinião pública,  assim o governo estava pressionado por  todos os lados, a mídia  e  a qualquer informação mal  passada pelos envolvidos poderia interferir  no que  permitia  a vida ou a morte das vítimas, da população dividida entre  o Pablo Escobar Robin  Hood  e o criminoso  além dos demais países como os EUA.

Uma publicação compartilhada por Le Quiche Literário (@lequicheblog) em

Nenhum comentário:

Postar um comentário