quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A Primavera e o Sorvete


A estação mais linda do ano começou hoje. A primavera trouxe o calor nos quatro cantos do país e parece que o sol vai demorar para ir embora, mas isso não foi a única boa notícia do dia, além de ser o primeiro dia de primavera é também o dia nacional do sorvete.
Do pistache ao clássico chocolate, da margarida recolhida no caminho para a faculdade para alegrar o dia ou um buquê surpresa para a cara metade, a primavera e o sorvete dão uma ótima história de amor. Vejam porquê:

E mais uma vez eu estava ali não me importava com o frio que fazia, com as chuvas que caiam, não me lembrava mais do riso das crianças ou dos avós com os netos, só me lembrava de como era feliz quando ela estava aqui.
Linda, ela irradiava alegria, a vontade de viver e de sentir que fazia sentido existir, tomava me conta A cada brisa que o céu soprava sentia o aroma das flores entrando pela porta do saguão, flores sortudas que estavam alinhadas ao seu cabelo.
A via todos os anos quando vinha visitar seus pais e suas amigas, sempre com um vestidinho estampado de tulipas amarelas elas riam e conversavam, cochichavam nos ouvidos uma com as outras e eu imaginava como era ter aquela voz em mim. Mas quem era eu? Alguém atrás de um balcão vestido de avental e tênis de cinco anos de existência? Eu era alguém que jamais ela veria, sonharia ou amaria. 
"Um de romeu e julieta e outro de baunilha" me viro com as casquinhas e minha boca seca, meus olhos arregalam e meu coração salta. Ela estava ali.
Não durou nada, não deu tempo de uma mosca bater as asas ou da gota do suor do meu rosto cair e bater o chão, mas durou tanto que posso dizer cada essência que tinha seu perfume, a quantidade de fios que caiam na sua testa e quanto tempo aquele "obrigada" me atormentou e me deu paz.
Elas se viraram e saíram, e eu saltei aquele balcão, corri até ela e... não fiz nada, nem saltei do balcão, nem corri e não fui até ela. Só a vi indo embora.
Todos os dias a via, passava por mim todos os dias, me via todos os dias e quando num ato absurdo a quis esquecer, lá estava ela na minha frente pedindo uma casquinha de romeu e julieta, irônico pensei. E quando ela terminou, se levantou e saiu e não fiz nada. 
Olhei em volta e meu mundo não existia, caíam as paredes assim como o avental, as mesas voavam e o balcão não existia mais só vi meus pés caminhando até ela e quando a vi face a face, lá estava eu com uma casquinha de mascarpone e ela com um de goiaba que havia entregado a ela. 
Depois disso não me lembro de mais nada, só que era primavera.

Espero que tenham gostado, esse é só um presentinho para o blog nessa data que considero muito especial. Quem me conhece sabe que sou aspirante a escritora e esse é só um pedacinho do meu trabalho e da minha escrita, por isso conto com a colaboração de vocês para combater o plágio, esse textinho assim como os demais do blog não podem ser reproduzidos ou copiados. 

Aproveitem a estação!!!




2 comentários: